É como se uma bomba, aliás várias bombas me acertassem e continuasse tudo bem, pelo menos por fora, mas não, não continua bem, aos meus olhos não continua nada bem.
É como se fosse apenas um saco de boxe, primeiro despejam toda a dor, podem deitar tudo em cima de mim, e depois “desculpa” , sim está tudo bem, é para o bem e para o mal certo? Mas não é bem assim, porque tenho a certeza que a primeira vez que explodir o saco de boxe vai embora e depois quem me segura a mão para me levantar, ninguém porque eu não tenho essa “sorte” de me ter como “amiga”. Porque comigo podem gritar, resmungar e etc, e eu ? Será que posso fazer isso tudo? Poderei deixar tudo rebentar sem ninguém ir embora? Será que posso? Não me parece e eu tento não deixar escapar nada, porque ao mínimo escape tudo piora, e assim eu vejo se a bomba rebenta aí sim as coisas nunca voltarão ao normal. Normal já  elas não são mas eu tento que sejam, acordo todos os dias com vontade de não acordar mas um dia acordarei revoltada, e talvez nesse dia não esteja lá ninguém para me esticar a mão e dizer “tem calma, está tudo bem”. Não eu apenas oiço e deixo tudo passar, podes mandar-me para onde quer que seja, podes até dizer para te deixar em paz e assim, mas no final vais pedir-me desculpa e dizer que estás passado, e eu? Acho que temos os mesmos direitos, se te passares talvez também o possa fazer, mas ao contrário de mim, não és tão compreensivo, vou-me passar e vais deixar-me de lado, vais até se calhar dizer resolvemos isso amanhã, mas sempre ouvi dizer, amanhã pode ser tarde demais, porque talvez se isso acontecer eu não digo que me mate ou que me faço mal porque não ninguém merece que o faça, mas poderei por tudo organizado na mente e aí talvez seja eu a não querer falar contigo. Talvez seja eu a desistir de algo que eu sempre quis ter.    



Sem comentários:

Enviar um comentário